9/8/2020 - CAMPO MOURÃO -

Os prefeitos de Campo Mourão



Em toda a história, Campo Mourão teve 18 prefeitos. Dois deles com destaque no cenário nacional: Rubens Bueno, deputado federal, que administrou o município entre 1993 a 1997, e Milton Luiz Pereira, que comandou de 1967 a 1969. Após dirigir os destinos de Campo Mourão, Milton seguiu a magistradora e chegou ao cargo de Ministro do Superior Tribunal de Justiça em Brasília.

Tauillo Tezelli e Augustinho Vecchi, são os únicos que foram prefeitos por 3 vezes. Em 1968, Vecchi, por 1 ano devido a renúncia de Rosalino Salvadori. Ele voltaria a ser prefeito de 1977 a 1983 ( seis anos) e de 1989 a 1993. No total, Vecchi administrou Campo Mourão por 11 anos. Tauillo foi prefeito de 1997 a 2000 e reeleito para 2001 a 2004. Voltou ao cargo de 2016 a 2020. São 12 anos, um ano mais que Augustinho. E Tauillo é o único a ganhar 3 eleições como prefeito e uma sendo vice de Rubens Bueno, administração da qual participou como coordenador geral da prefeitura.



Área urbana de C.Mourão nunca teve queda de habitantes



A área urbana de Campo Mourão nunca perdeu habitantes desde que o município foi emancipado de Pitanga em 1947. É muito comum desde os anos 70, alguns políticos citarem que "a cidade chegou a ter até 150 mil moradores". Isso nunca ocorreu. A confusão existe porque até o início dos 60, todos os atuais municípios da região eram distritos de Campo Mourão. Com essas emancipações, o município foi diminuindo a quantidade de moradores, mas isso nunca afetou a população da cidade.

Desde 1947, o perímetro urbano (cidade), não tem queda populacional. A população cresceu a cada ano. Em alguns períodos mais em outros menos. Nos anos 80 e começo dos anos 90, famílias foram atraídas pela agricultura de outros estados. Nessa mesma época, por falta de cursos superiores, uma grande quantidade de jovens deixou a cidade, mas nem esses dois fatores fizeram a população cair.

A GRANDE QUESTÃO É: a cidade poderia ter crescido mais? Bom, isso é uma outra história...



Frase de um morador de São Paulo...



Nei Piacentini, é um artista nacional, nascido em Campo Mourão, e que atualmente mora em São Paulo. Participou de vários filmes, entre eles "Lula Filho do Brasil", lançado em 2009, onde faz o papel do Dr. Miguel. Passeando em Campo Mourão, ele esteve para um compromisso, no 5º andar do Edifício Antares. De lá ele avistou a Catedral em meio às árvores e exclamou: "Que coisa maravilhosa! Lá em São Paulo a gente olha pela janela e só enxerga concreto"!. A vista que Nei teve de Campo Mourão, é da foto acima. A imagem foi feita do mesmo local onde Nei proferiu a frase.



Curiosidade



Atualmente as "linhas áereas apenas passam" por Campo Mourão, mas nos anos 50, Campo Mourão era servida pela Empresa Aérea "Sadia". Naquela época, a pista do aeroporto Coronel Geraldo Guia de Aquino ainda não era asfaltada. Campo Mourão era uma das escalas da linha São Paulo a Joaçaba em Santa Catarina. A mesma linha passava por Curitiba, Londrina, Ourinhos, Bauru e Ribeirão Preto. O slogan da empresa Sadia era: "A bordo da Sadia, Você não é um passageiro, é um hóspede". Anos mais tarde os voos passaram a ser feitos pela Transbrasil.

A pista do Aeroporto de Campo Mourão tem 1.400 metros de comprimento por 30 metros de largura. A média é de 50 pousos e decolagens por mês.

Em 2019, através do projeto "Voe Paraná", Campo Mourão foi beneficiada com a volta dos voos comerciais pela empresa Two Flex em parceria com a Gol Linhas Aéreas, mas em 2020, em plena pandemia do coronavírus, a empresa foi vendida e a linha cancelada.



Associação Comercial



A Associação Comercial e Industrial de Campo Mourão (ACICAM), é uma das mais antigas do Paraná. Foi fundada em em 1953. O município tinha apenas 6 anos de emancipação. No início, a entidade também tinha pecuaristas e agricultores como associados. Uma curiosidade, é que em toda a sua história, a Associação Comercial de Campo Mourão, teve apenas duas disputas para a presidência. A primeira em 1987 e a segunda em 2010.



Santuário de Aparecida



A história do Santuário de Nossa Senhora Aparecida na Vila Urupês em Campo Mourão, começa em 1971 com a inauguração da capela em um barracão de madeira. Em dezembro de 1974, foi inaugurada a obra da nova capela, agora em alvenaria com 210 metros quadrados. No dia 27 de março de 1982, a capela foi elevada a categoria de Paróquia. Com o crescimento da população, a igreja foi ampliada ao longo dos anos. No dia 12 de outubro de 2002, foi transformada em Santuário de Aparecida.

A igreja tem capacidade para 600 pessoas. A imagem da santa tem 5 metros de altura. Chama a atenção o subsolo onde estão objetos e fotos deixados pelos fiéis que pedem ou agradecem a graça recebida. A obra do calçadão que fechou parte da Avenida Jorge Walter começou em 2008 e foi concluída em setembro de 2009.



Ligações de água e energia elétrica



Campo Mourão tem 43 mil 563 (relógios) ligações de energia elétrica. Destas, 37 mil 331 são residenciais; 797 no setor industrial; 4.078 em estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços; 883 na área rural, entre outras atividades.

Campo Mourão conta com 36 mil 304 ligações de água. São 33 mil 120 residencias, 2.647 empresas comerciais, 93 indústrias, entre outros setores. O total de ligações de água é menor que o de energia elétrica. Uma das razões é que a conta de água pode utilizar um relógio para vários imóveis. É o caso de vários condomínios de apartamentos.


Poder Judiciário em Campo Mourão



A comarca de Campo Mourão foi instalada no dia 28 de janeiro de 1949. É responsável também pelos municípios de Janiópolis, Farol e Luiziana. São 6 varas judiciais. O atual prédio do Fórum foi construído no final dos anos 70 na praça Bento Munhoz da Rocha. Campo Mourão conta ainda com duas Varas da Justiça Federal, abrangendo 24 municípios, incluindo o Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejuscon). A instalação da Vara Federal em Campo Mourão é de junho de 1998 e a instalação ocorreu em junho de 1999. A cidade ainda é sede de uma Vara da Justiça do Trabalho.


Sete rodovias desembocam em C.Mourão



Campo Mourão tem um dos maiores entroncamentos rodoviários do Sul do Brasil. A PR-317 faz ligação com o norte do Estado. A BR-487 tem uma saída para Umuarama e Mato Grosso do Sul e a outra saída para Guarapuava e Curitiba. A BR-272 liga Campo Mourão as regiões de Toledo e Marechal Cândido Rondon. A BR-369, faz ligação com Cascavel, Foz do Iguaçu, Paraguai e Argentina. A BR-158 (sem asfalto) liga Roncador e também ao Sudoeste do Paraná. A PR - 558 é saída para Cianorte e Paranavaí. Todo esse fluxo desemboca em Campo Mourão e o tráfego é distribuído pelo Anel Viário (Contorno Sul) e pela Perimetral Tancredo Neves (que corta a cidade).


Catedral de Campo Mourão e a lenda



A Paróquia de São José em Campo Mourão foi criada no dia 8 de dezembro de 1942. Foi elevada à categoria de Diocese em 1959. Nessa época abrangia também as regiões de Umuarama, Ivaiporã, Pitanga e Cianorte. Dom Eliseu Simões Mendes, o primeiro bispo foi empossado no dia 23 de abril de 1960.

A construção da atual catedral foi iniciada em 1954, e o projeto arquitetônico foi o mesmo utilizado na construção da igreja de São Bento do Sul em Santa Catarina. A obra foi realizada em etapas ao longo de vários anos. É bom salientar que os portas são mais recentes. Foram esculpidas pelo artista Nivaldo Tonon e instaladas em 1979. Uma curiosidade é que no começo dos anos 70, pilotos mourãoenses corriam de kart em volta da catedral. Contam também que o pioneiro e piloto de avião, Odair Rosa de Lima, mais conhecido por "Tico-Tico" chegou a passar com uma aeronave entre as duas torres da Igreja. De acordo com a lenda, foi preciso inclinar o avião para que a manobra fosse possível. Não há registros dessa façanha, mas muita gente conta que ele costumava fazer malabarismo sobre a cidade, com seu avião "teco teco" e o povo parava para assistir.



Mural do Colégio Unidade Polo



O Mural do Colégio Estadual Unidade Polo, de Campo Mourão, é uma obra do artísta plástico Marcos Andruchak. Ele nasceu em Capanema aqui no Paraná, mas é professor universitário de artes na Universidade Federal do Ceará. O mural foi inaugurado no dia 10 de junho de 2016, no aniversário de 40 anos do estabelecimento. O Colégio foi inaugurado em outubro de 1975, e entrou em atividade no dia 1 de março de 1976.



Primeiro edifício fora do centro



Seguem as obras do Edíficio "Residencial Rivera", o mais alto fora da chamada área central de Campo Mourão. O investimento da Construtora Pirâmide terá 10 andares. A obra está localizada no Bairro "Novo Centro", cujo acesso é pela Avenida Irmãos Pereira ou Avenida Miguel Luiz Pereira.


Visão desde a piscina !!



Quem estiver na piscina do Edifício Fiorella, terá uma ampla visal da cidade de Campo Mourão. O prédio está localizado na esquina da Avenida Goioerê com a Rua São José.



O Edifício Fiorella, é hoje o mais novo e moderno de Campo Mourão. O prédio conta com vários sistemas eletrônicos e inovadores. A conta de gás por exemplo é verificada sem a presença da empresa no edifício. O gasto é registrado em tempo real pela fornecedora via internet. Existem conectores especiais para aspirador de pó com aspiração central. A área social é dotada de sala de cinema, espaço fitness, espaço mulher com SPA, lan house, salão de jogos, salão de festas com churrasqueira. Cada apartamento conta com ampla sacada com churrasqueira.


Curiosidades de Campo Mourão



Até 1983, o prédio mais alto de Campo Mourão ( 7 andares) era o do Hotel Santa Maria, perto da Catedral. Naquele ano, começou a construção do Edifício Panorama com 15 andares. Foi o primeiro da cidade a passar dos 7 andares. O prédio está localizado na Rua Interventor Manoel Ribas, esquina com a avenida Irmãos Pereira, em frente ao Clube 10 de Outubro.


Praça Getúlio Vargas



Até setembro de 1955, a Praça Getúlio Vargas, a primeira de Campo Mourão, era chamada de "10 de Outubro", em homenagem a data de emancipação do município. Até então a quadra era um bosque com muita gabiroba e pitanga, onde as pessoas se encontravam para fazer churrasco e conversar. Obras como as calçadas para os passeios, plantio de árvores, chafariz e coreto só começaram a ser feitos em 1956. O chafariz conta com quatro "musas" que representam as estações do ano.




O coreto foi palco de várias atrações, principalmente nos anos 60 e 70. O grande destaque era a Banda Municipal. Famílias se reuniam ao redor do coreto para acompanhar as apresentações. Os bancos eram de cimento com nomes das empresas patrocinadoras.




O que pouca gente sabe ou se lembra que a praça era maior. Em 1967, uma parte foi destinada a construção da nova rodoviária. Hoje biblioteca municipal (foto acima). Na obra foram abertas também duas ruas : uma para a entrada de ônibus e a outra para a circulação de veículos e que incluia um ponto de táxi. Mesmo assim, ainda ficou um pedaço da praça. Esse espaço foi sendo ocupado pela antiga Telepar, Colégio Santa Cruz e mais recentemente pelo Terminal do Transporte Coletivo Urbano.




Pouco tempo depois da inauguração, a Praça Getúlio Vargas foi "incorporada" a Praça São José (Catedral). Mas elas eram divididas pela Rua Brasil, que foi fechada nos anos 80. Nos anos 90, com a revitalização das praças, um pequeno trecho foi reaberto para a passagem de automóveis.


Formato único para avenidas



Me corrijam se estiver errado, mas Campo Mourão deve ser a única cidade no Brasil que na área central tem 10 avenidas de mão dupla com canteiro dividindo as pistas, de forma paralela e em linha reta. As 10 avenidas estão no sentido Maringá/Goioerê. A mais extensa é a Comendador Norberto Marcondes com 3 quilômetros e meio, e a menor é a Afonso Botelho com cerca de 2 km. As avenidas estão separadas, entre elas, em média por 150 metros.A imagem acima é da Avenida Goioerê, a quarta mais movimentada da cidade. Tem pouco mais de 3 quilômetros e se destaca pelos Ipês.


Ensino superior em C.Mourão



Campo Mourão conta com quatro instituições de ensino superior com cursos presenciais. São duas particulares: Integrado e Unicampo; uma federal a UTFPR e outra estadual (campus da UNESPAR). As duas maiores são o Integrado e Universidade Tecnologia Federal do Paraná (UTFPR).

O Centro Universitário Integrado oferta 19 cursos de graduação e 50 de pós graduação. Entre eles estão medicina, agronomia, veterinária, educação física, direito. Já a UTFPR oferece ciência da computação, engenharia ambiental, engenharia civil, engenharia eletrônica, engenharia química, engenharia de alimentos entre outros.

Cerca de 8 mil alunos frequentam os cursos presenciais nas quatro instituições de Campo Mourão.


CM tem 62 áreas residenciais



A cidade de Campo Mourão possui 62 áreas residenciais distribuídas entre o centro, jardins, vilas e conjuntos de moradias. As regiões mais recentes são conhecidas por Residencial Parque do Lago, Novo Centro, Jardim Botânico, Santa Casa, Cidade Alta, Imperial, Copacabana 2, Veneza, Europa, Milton de Paula Walter, Fortunato Perdoncini, Canadá e Flora 3 e 4. Os mais antigos são Vila Guarujá, Vila Urupês, Vila Rio Grande, Jardins Aeroporto, Bandeirantes, Alvorada, Santa Cruz, Modelo, Maia, Gutierrez, Flórida, Copacabana, Milton Luiz Pereira (Cohapar) e Conjunto Capricórnio.

Uma curiosidade sobre Campo Mourão é que até o final dos anos 80, a cidade não se expandia além dos Rio do Campo (Mourão) e Rio 119. Fora desse espaço, apenas a Vila Guarujá. Os primeiros loteamentos a "passarem da ponte" foram os Jardins Cidade Nova, Araucária. Os mais recentes são o Novo Centro, Cidade Alta, Botânico, Santa Casa, Residencial Parque do Lago.

Na imagem acima, em primeiro plano, a região da Vila Urupês e jardins Cidade Alta e Cidade Nova.


CM é 43º do PR em agropecuária



A riqueza da atividade agrícola e da pecuária de Campo Mourão, ocupa a posição 43 entre os 399 municípios do Paraná. O primeiro lugar no Estado é Toledo. Na sequência estão Cascavel, Castro, Tibagi, Palmeira, Prudentópolis, São José dos Pinhais, Paranavaí e Irati.

Logo à frente de Campo Mourão estão: Dois Vizinhos na posição 41 e Rolândia ocupa a 42ª colocação. Abaixo de Campo Mourão, praticamente empatados estão Guamiranga (44) e Francisco Beltrão (45).

A área com soja em Campo Mourão é de 47 mil hectares. Milho ocupa cerca de 5.700 ha. Trigo com 14 mil e 500 hectares. Feijão é plantado em 200 hectares. Café em 35 ha. Rebanho bovino é de 11 mil e 200 cabeças.

Levantamento realizado em 2017, mostra que 510 produtores rurais são proprietários de 57 mil dos 66 mil hectares com plantio no município. Ao fundo, na imagem, o complexo industrial da Coamo na saída para Iretama/Guarapuava.



CM: educação até o 9º ano



Em Campo Mourão o índice de escolarização de crianças de 6 a 14 anos é de 98,2 por cento, o que coloca o município na posição 145 do Paraná. Em IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), também está na colocação 145 para os anos iniciais e na 115ª para os anos finais do ensino fundamental.

A taxa de analfabetismo acima dos 15 anos é de 7,1 por cento. Os índices de reprovação são: 7,6 por cento no ensino fundamental; 5,6 do primeiro ao quinto ano; 10,2% do 6º ao 9º ano e 9,5 por cento no ensino médio. O ensino médio também tem o maior índice de abandono com 5,5 por cento.

No setor público, Campo Mourão conta com 43 unidades municipais oferecendo educação infantil, creche, pré escola, ensino fundamental e de jovens e adultos.

No âmbito estadual são 13 estabelecimentos de ensino médio, EJA e profissional. O maior é o Colégio Estadual (foto acima). No setor particular são 15 estabelecimentos que ofertam ensino até o 9º ano, dos quais 6 com ensino médio.



Campo Mourão e a população



A mais recente contagem oficial da população brasileira foi realizada em 2010. Desde então o IBGE faz apenas projeções. O censo que deveria ser realizado em 2020 foi cancelado por causa da pandemia do Covid 19.

Pela estimativa de 2019, Campo Mourão tem 94.859 habitantes. No oficial em 2010, o município figurava na posição 21, entre os mais populosos do Paraná, com 87.194. O crescimento foi de 7.665 moradores.

Fazendo comparação:

Cianorte:
2010 - 69.960
2019 - 82.620
+ 12.660

Paranavaí:
2010 - 81.590
2019 - 88.374
+ 6.784

Umuarama:
2010 - 100.676
2019 - 111.557
+ 10.881

Toledo:
2010 - 119.313
2019 - 140.635
+ 21.322

Pato Branco:
2010 - 72.370
2019 - 82.881
+ 10.511

Francisco Beltrão:
2010 - 78.943
2019 - 91.093
+ 12.150



C.Mourão: eleitores e veículos



Campo Mourão conta com 70 mil 359 veículos, dos quais 38 mil 328 automóveis e 15 mil 282 motocicletas. Em seguida estão as picapes com 8.675 veículos. Os caminhões somam 3.874. Campo Mourão tem 65.987 eleitores (maio 2020). Representa 0,8 por cento do eleitorado do Paraná. Como comparativo, Cianorte está com 56.378; Paranavaí 61.693; Pato Branco 62.437; Francisco Beltrão 66.202; Umuarama 78.511; Toledo 98.738.



C.Mourão: imóveis e empresas



Campo Mourão tem 37 mil 331 imóveis residenciais na área urbana. No setor comercial e de prestação de serviços são 4.078 empresas. Como indústrias (pequenas, médias e grandes) o registro é de 790, muito embora, acredita-se que estejam em atividade cerca de 150. Campo Mourão tem 11 agências bancárias. São quatro operando pelo Banco do Brasil e duas pela Caixa Econômica Federal. No Ministério das Comunicações, Campo Mourão consta como tendo 5 emissoras de rádio, mas em operação são 4, todas em FM. A Rádio Humaitá (AM), inaugurada em setembro de 1980, está fora do ar.



CM: rede de esgoto e arborização



A rede coletora de esgoto em Campo Mourão abrange 75 por cento. O índice deixa a cidade na posição 43 do Paraná e na colocação 1.167 do Brasil. A rede coletora é 25% maior que Cianorte; 15 por cento mais que Cascavel e 10 por cento superior a Francisco Beltrão. Mas perde para Pato Branco (92%), Umuarama (78,8%), Paranavaí (77,2). Telêmaco Borba tem 74%; Guarapuava 64%; Ponta Grossa 82%; Maringá 83%; Londrina 85%; Curitiba 96%; Foz do Iguaçú 75%. Em arborização, Campo Mourão ocupa a 25ª posição no Paraná e a colocação 72 no Brasil.


CM tem o 19º melhor salário do PR



O salário médio do trabalhador de Campo Mourão, é o 19º melhor no Estado do Paraná. A média é de 2,7 salários mínimos/mês. Subiu 10 posições em relação ao levantamento anterior. Os dados são do Ministério do Trabalho com informações baseadas nos empregados com carteira assinada.

O ranking é liderado por Curitiba (4 salários). Em relação as cidades do mesmo porte Cianorte, Paranavaí e Umuarama estão em 92º; Francisco Beltrão em 40º e Pato Branco na mesma posição de Campo Mourão. Telêmaco Borba é o 3º com média de 3,3 salários/mês, empatando com São José dos Pinhais, São Carlos do Ivaí. A segunda colocação é de Araucária com média salárial de 3,9.


[ voltar ]