Falecimentos em C.Mourão no dia 12 de dezembro

Euclésio Elói Salvadori, 66 anos (Professor de Matemática do Colégio Marechal Rondon) Velório no Prever. Sepultamento realizado dia 12 em Araruna.





















ALTAMIRA DO PARANÁ /

ALTO PARAÍSO /

ALTO PARANÁ/

AMAPORÃ /

AMPÉRE /

ÂNGULO /

ANTONINA /

APUCARANA /

ARAPONGAS /

ARARUNA /

ASSIS CHATEUBRIAND /

ASTORGA /

ATALAIA /

BOA VISTA DA APARECIDA /

BARBOSA FERRAZ - CIDADE E SANTUÁRIO /

BOA ESPERANÇA /

BOM SUCESSO /

CALIFÓRNIA /

CAMPINA DA LAGOA /

CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES /

CASCAVEL /

CASTRO / CASTROLANDA /

CIANORTE /

CORUMBATAÍ DO SUL /

CHOPINZINHO /

CIDADE GAÚCHA /

COLORADO /

CORONEL VIVIDA /

CRUZMALTINA /

CRUZEIRO DO OESTE /

CRUZEIRO DO SUL /

DOIS VIZINHOS /

DIAMANTE DO NORTE /

DOUTOR CAMARGO /

ENGENHEIRO BELTRÃO /

ESTRADA DE TERRA ALTAMIRA DO PARANÁ A LARANJAL

FAROL /

FAXINAL /

FÊNIX /

FORMOSA DO OESTE /

FLORAÍ /

FLORESTA /

FLÓRIDA /

FRANCISCO ALVES /

GUAIRAÇÁ /

GUAPOREMA /

GUARATUBA /

IBIPORÃ /

ICARAÍMA e Porto Camargo /

IGUARAÇU /

INAJÁ /

INDIANÓPOLIS /

IRACEMA DO OESTE /

IPORÃ /

IRETAMA /

IRATI /

ITAGUAJÉ /

ITAMBÉ /

ITAÚNA DO SUL /

IVATUBA /

JANDAIA DO SUL /

JANIÓPOLIS /

JAPURÁ /

JARDIM OLINDA /

JESUÍTAS /

JURANDA /

JUSSARA /

LARANJAL /

LARANJEIRAS DO SUL /

LIDIANÓPOLIS /

LINDOESTE /

LOANDA /

LOBATO /

LONDRINA /

LUIZIANA /

LUNARDELLI /

MAMBORÊ /

MANDAGUAÇU /

MANDAGUARI /

MARECHAL CÂNDIDO RONDON /

MARILUZ /

MARMELEIRO /

MARQUINHO /

MARIA HELENA /

MARIALVA /

MARILENA /

MARINGÁ /

MARIPÁ /

MATINHOS /

MAUÁ DA SERRA /

MERCEDES /

MIRADOR /

MOREIRA SALLES /

MORRETES /

MUNHOZ DE MELLO /

NOVA AURORA /

NOVA CANTU /

NOVA ESPERANÇA /

NOVA LONDRINA /

NOVA OLÍMPIA /

NOVA SANTA ROSA /

NOVA PRATA DO IGUAÇU /

OURIZONA /

PAIÇANDU /

PALMEIRA /

PALMITAL /

PALOTINA /

PARAÍSO DO NORTE /

PARANACITY /

PARANAGUÁ /

PARANAPOEMA /

PARANAVAÍ /

PATO BRANCO /

PEABIRU /

PEROBAL /

PITANGA /

PLANALTINA DO PARANÁ /

PONTAL DO PARANÁ /

PORTO RICO /

PRESIDENTE CASTELO BRANCO /

QUARTO CENTENÁRIO /

QUATRO BARRAS /

QUATRO PONTES /

QUERÊNCIA DO NORTE /

QUINTA DO SOL /

RANCHO ALEGRE DO OESTE /

REALEZA /

RENASCENÇA /

RIO BONITO DO IGUAÇU /

RIO IVAÍ PELA BALSA /

ROLÂNDIA /

RONCADOR /

RONDON /

SABÁUDIA /

SANTA CRUZ DO MONTE CASTELO /

SANTA FÉ /

SANTA ISABEL DO IVAÍ /

SANTA IZABEL DO OESTE /

SANTA LÚCIA /

SANTA MÔNICA /

SANTO ANTONIO DO CAIUÁ /

SANTO INÁCIO /

SÃO CARLOS DO IVAÍ /

SÃO JOÃO DO CAIUÁ /

SÃO JOÃO DO IVAÍ /

SÃO JORGE DO IVAÍ /

SALTO DO LONTRA /

SÃO MANOEL DO PARANÁ /

SÃO PEDRO DO IVAÍ /

SÃO PEDRO DO PARANÁ /

SÃO TOMÉ /

SARANDI /

SAUDADE DO IGUAÇÚ /

TAMARANA /

TAMBOARA /

TERRA BOA /

TERRA RICA /

TOLEDO /

TRÊS MORRINHOS (Terra Rica) /

TUNEIRAS DO OESTE /

UBIRATÃ /

UMUARAMA /

UNIFLOR /

VITORINO /

XAMBRÊ /


   














a
-----------------------------    
----------------------
a

 

a

 

a

 

a

 

a

 

a

 

a
------------ 
 










A Catedral de Maringá: tem ossário dentro do cone



Pouca gente sabe que a Catedral de Maringá, foi inspirada nos foguetes russos Sputnik, lançados entre o final dos anos 50 e começo dos anos 60. O projeto é do arquiteto José Augusto Bellucci. Bellucci nasceu em São Paulo em 1907 onde faleceu em 1998. Seu escritório funcionava na Praça da República no centro da capital paulista. Foi o responsável por vários projetos em Maringá, o primeiro do Grande Hotel em 1951. Em 53 ficou responsável pelo terminal do Aeroporto. Em 56, projetou o primeiro Clube Social de Maringá em seguida a Catedral, depois vieram os projetos da Praça Napoleão Moreira da Silva, Teatro Municipal entre outros.




A Catedral Basílica de Maringá é a mais alta da América do Sul. O cone tem 114 metros de altura e na ponta está a cruz com 10 metros, elevando o monumento para 124 metros. No piso o diâmetro é de 50 metros que vai se afunilando até o topo. A igreja comporta 3.500 pessoas em galerias superpostas. A 35 metros de altura está a imagem de Nossa Senhora da Glória. No interior do cone a 45 metros de altura, encontra-se o ossário, com 1.360 lóculos, que os fiéis compram para guardar os restos mortais de seus entes queridos.




A porta principal tem um significado: é voltada para o norte. A pedra fundamental, lançada em agosto de 1958, é um pedaço de mármore retirado das escavações da Basílica de São Pedro pelo Papa Pio XII. A Catedral foi construída entre julho de 1959 a maio de 1972. Foi consagrada em maio de 1981. Em 21 de janeiro de 1982 recebeu o título de Catedral Basílica Menor.




Embora tenha sido projeta no final dos anos 50, a Catedral Metropolitana Basílica Menor Nossa Senhora da Glória de Maringá, é símbolo da arquitetura moderna e arrojada. Uma escada com 466 degraus leva os visitantes a um mirante, que no momento (2019) está fechada. O espelho dágua ao redor do templo foi retirado para solucionar problemas de infiltração.

VEJA AQUI O NOSSO ESPECIAL SOBRE MARINGÁ







Denir Daleffe: O que pensar a respeito das celebrações natalinas?



O Mundo deturpou o sentido da festa do Natal, supervalorizando a figura do Papai Noel e transformando a festa Cristã em festa comercial. Do jeito que o Natal é festejado, é mais uma festa de dar presentes do que a festa do Deus presente. É urgente devolver o Natal ao dono da festa que é Jesus Cristo.

Ultimamente, até famílias que montavam o presépio em suas casas deixaram de fazê-lo. Deixaram, também, de colocar os símbolos religiosos do advento e do Natal nas portas das suas casas. Natal está se tornando festa comercial e pagã. O Natal cristão consiste em colocar, no lugar dos deuses, o Verdadeiro DEUS. No lugar da desesperança, do consumismo e despedício, o Natal tem que trazer solidariedade, fé e união para as pessoas.

Prezados amigos, neste Natal elimine as tristezas e compartilhe pensamentos de AMOR E PAZ com as pessoas que você ama. Neste Natal faça o que pode, com o que tiver, onde estiver. Pense em tudo o que vale a pena buscar, supere os limites e aceite o desafio de transformar o mundo em um lugar melhor. Assim, certamente, terá um FELIZ NATAL. Votos de Denir Daleffe à família, amigos, clientes e fornecedores.






Guamiranga: de cada 10 habitantes, apenas 2 moram na cidade



A cidade de Guamiranga está localizada a 285 quilômetros de Campo Mourão, ás margens da BR 373 que liga Ponta Grossa a Prudentópolis. O portal em forma de duas chaminés de olarias, já "informa", que ali tem produção de telhas, pisos e tijolos.




Guamiranga é um dos municípios mais novos do Paraná. Distrito de Imbituva, a instalação aconteceu no dia 1º de janeiro de 1997. O município tem 8.739 habitantes pela estimativa de 2019 e 7.900 pelo Censo do IBGE realizado em 2010. Oitenta por cento da população mora ou trabalha na área rural. A taxa de escolarização de crianças de 6 a 14 anos é de 97,5 por cento. Em PIB per capita ocupa a posição 255 entre os 399 municípios do Paraná. A taxa de mortalidade infantil até 5 anos é de 27 por 1.000.




Na lavoura destaque para soja (8.200 ha); fumo (3.060 ha) e feijão (1.198 ha). Por possuir a maior parte da população na área rural, a economia do município é caracterizada principalmente pelo setor agrícola e depois pelo industrial. Destacam-se ainda como opções de fonte de renda da população o artesanato e a vinicultura.




O setor industrial é representado principalmente pelas olarias. Mesmo estando no Parque do Lago, dentro da cidade você percebe a presença delas. Guamiranga não tem agências da Caixa ou Banco do Brasil e não conta com rede de esgoto. A origem do nome “Guamiranga” vem do tupi-guarani, tendo o significado de “árvore de pequenas folhas de cor vermelha”.




A cidade tem cerca de 1.200 imóveis residenciais, pouco mais de 50 empresas comerciais e 15 pequenas indústrias. A principal empresa da cidade é a "Erva-Mate Globo", localizada na comunidade rural de Boa Vista.




Guamiranga foi um ponto de passagem dos tropeiros a partir de 1850. Em 1890 começaram a chegar os imigrantes poloneses, italianos e alemães. Guamiranga era conhecida como Monjolinho, passou a ser "Natal". O aniversário é comemorado em 16 de novembro. Em julho acontece a grande Festa do Agricultor. O padroeiro Menino Jesus é comemorado em 25 de dezembro. O município também realiza o evento da "Reforma Luterana".




O município de Guamiranga é rico em recursos naturais. Várias cachoeiras. Na comunidade do Tigre tem água sulfurosa. O ponto de encontro dos jovens aos finais de semana é no Sítio Boa Esperança. Possui área para banho e uma gruta para contemplação. O "Pico do Amor" na Serra da Água Branca, tem cerca de 1.100 metros.




A Paróquia Menino Jesus de Guamiranga, pertence a Diocese de Ponta Grossa. Conta-se que, quando estavam construindo a primeira Capela, encontraram na terra uma pequena imagem do Menino Jesus, por isso a razão de escolherem como Padroeiro da Igreja. A imagem está exposta na Igreja Matriz.










O MUNDO MUDOU - Em Santa Lúcia, na região de Cascavel, uma prova de que o mundo muda rápido. Até bem pouco tempo a moda era colocar nome de lojas "Aqui Agora", por influência de um programa do SBT, veiculado nos anos 2.000. O "Aqui Agora", passou para "Agora Aqui". CLIQUE AQUI E VEJA MAIS SITUAÇÕES CURIOSAS, ENGRAÇADAS E INOVADORAS QUE ENCONTRAMOS PELO PARANÁ

VEJA AQUI O NOSSO ESPECIAL SOBRE SANTA LÚCIA.







Turvo: de cada 10 habitantes, 6 ainda moram na área rural



A cidade de Turvo, cercada por grandes reservas de árvores, na região de Guarapuava, está localizada a 164 quilômetros de Campo Mourão. Até 2 de fevereiro de 1983 foi distrito de Guarapuava. O aniversário de fundação é no dia 12 de maio. A festa principal acontece em novembro com Olimpíada Rural e a Expoturvo, realizada no CTG Rincão do Pinhal. O município tem 13.811 habitantes, porém mais da metade, 8.785 residem na área rural. Está na posição 136 entre os 399 municípios mais populosos do Paraná.




Em Turvo, a alfabetização de crianças de 6 a 14 anos é de 97,5 por cento. Em PIB per capita é o 173º do Estado. Em tamanho territorial o município é o 44º.




É comum encontrar pinheiros no perímetro urbano de Turvo. É normal para quem mora lá, afinal Turvo possui uma das maiores reservas nativas de Pinheiro do Paraná (Araucaria Angustifolia).




Em 1897 foi fundado o povoado de Pitanga, e na época já existia uma estrada entre Pitanga a Guarapuava. A precária estradinha passava pelo local onde hoje está o território de Turvo. Os imigrantes eslavos, italianos e alemães preferiram ficar por ali por causa da madeira, e não nas colônias oferecidas pelo governo. Os pioneiros construíram a capela e a denominaram de Nossa Senhora Aparecida. O nome vem do Rio Turvo, que corta a cidade.




Na imagem acima está a Praça 31 de Outubro. A maior área plantada é com soja (15.700 ha) e depois o milho (2.370 ha). Destaques para o plantio de erva mate com 380 hectares, produção de leite e madeira em tora.




Na foto acima, a estação rodoviária. Turvo não tem agências da Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil. A cidade conta com cerca de 2 mil imóveis residenciais e 163 empresas comerciais. Cincoenta e cinco indústrias de pequeno porte (a maioria utiliza madeira como matéria prima) estão instaladas no município. Lá tem Banda Municipal.




A Paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Turvo pertence a Diocese de Guarapuava.

No município está localizada a "Comunidade dos Morenos", uma área remanescente de Quilombo. Sempre em novembro, no Dia da Consciência Negra, a prefeitura realiza eventos especiais na localidade.

No município também existe uma Aldeia Indígena Kaigang.

Como é pequena a rede de esgoto, a prefeitura de Turvo tem 2 caminhões para fazer limpeza de fossas. O serviço é agendado pelo telefone.







Nova Aliança do Ivaí: Lei proibia "levar" a casa na mudança!!



Nova Aliança do Ivaí é uma cidade localizada a 140 quilômetros de Campo Mourão, região de Paranavaí. Em população é o segundo menor município do Paraná. Tem apenas 1.543 moradores. A taxa de escolarização de crianças entre 6 a 14 anos é de 98 por cento. Em PIB per capita ocupa a posição 199 entre os 399 municípios paranaenses.




Ao surgir entre os anos 50 e 60, Nova Aliança do Ivaí tinha o nome de Guaritá, um tipo de madeira. A localidade foi formada por influência de Paranavaí (20 quilômetros), e pelo auge do café. A localidade teve até cinema, mas no final do anos 60, começou a perder população com o progresso de Paranavaí e Paraíso do Norte. Uma das primeiras leis aprovadas na Câmara proibia o morador que deixava a cidade, desmontar e levar a "casa" (madeiras e telhas). Até 1961 foi distrito de Paraíso do Norte.




A maior área plantada é com cana (3.422 ha), depois vem a soja (300 ha) e milho (170). Destaques para o rebanho bovino e produção de frangos. Nova Aliança do Ivaí não tem agências da Caixa e do Banco do Brasil. A cidade tem cerca de 400 imóveis residenciais, 9 empresas comerciais e uma indústria.




A Paróquia São Benedito pertence a Diocese de Paranavaí.

É preciso ficar atento ao passar pelos canaviais de Nova Aliança do Ivaí. Vira e mexe tem onça passeando entre os pés de cana.

Em agosto de 2014, uma chuva de granizo danificou 80 por cento das casas da cidade.

Uma das atrações do município é uma pequena cachoeira chamada pelos moradores de "Salto". Está localizada a 1 quilômetro da cidade, mas é preciso percorrer um trecho de trilha.

Na cidade está instalado o Laticínio Rancho Aliança, que produz queijos, ricotas e requeijão. A sede é em Campinas (SP).






PARECIDO - Em Dois Vizinhos encontramos um Fusca "fantasiado" de Herbie. O lendário Herbie dos filmes, é um modelo 1953. Esse da foto é um Fuscão dos anos 70. CLIQUE AQUI E VEJA MAIS SITUAÇÕES CURIOSAS, ENGRAÇADAS E INOVADORAS QUE ENCONTRAMOS PELO PARANÁ

VEJA AQUI O NOSSO ESPECIAL SOBRE DOIS VIZINHOS



Londrina: a quarta maior cidade do Sul
As imagens foram feitas entre junho de 2018 à novembro de 2019



Londrina está localizada a 183 quilômetros de Campo Mourão. Tem 569 mil 733 habitantes. É a segunda maior cidade do Paraná. A quarta maior da região Sul (Curitiba, Porto Alegre e Joinville). A diferença para Joinville é de apenas 20 mil moradores e figura na posição 38 entre as maiores do Brasil. Porém, o aglomerado urbano devido as cidades próximas, eleva a população da área em mais de 1 milhão de moradores.




Mais de 90 por cento de Londrina tem rede de esgoto. A taxa de escolarização de crianças de 6 a 14 anos é de 98 por cento. Tem o 13ª melhor salário médio do Paraná. Em PIB per capita figura em 103º no Estado.




Até 1920, o território onde está o município de Londrina, era uma extensa floresta inexplorada. A região começou a ser ocupada entre 1904 e 1920 por famílias que sairam de Minas Gerais e São Paulo. Em 1924, a Compahia de Terras Norte do Paraná, subsidiária de uma empresa inglesa, comprou do Governo paranaense, extensas áreas de terra.




O objetivo da empresa inglesa era abrir campos para o cultivo de algodão. O empreendimento fracassou, devido aos preços baixos e à falta de sementes sadias no mercado, obrigando a uma mudança nos planos. Foi criada, assim, em Londres, a Paraná Plantations e sua subsidiária brasileira, a Companhia de Terras Norte do Paraná, que transformaria as propriedades do empreendimento frustrado em projetos imobiliários.




A Companhia utilizou a frase: “a mais notável obra da colonização que o Brasil já viu”. Isso por causa da repartição dos terrenos em lotes relativamente pequenos. Os ingleses promoveram, desta forma, uma verdadeira reforma agrária, sem intervenção do Estado, oferecendo aos trabalhadores sem posses a oportunidade de comprarem os pequenos lotes, já que as modalidades de pagamento eram adequadas às condições de cada comprador. O sistema estimulou muito a concentração da produção – principalmente cafeeira, a explosão demográfica. e o aparecimento de classes médias rurais.




O projeto de colonização, além disto, trouxe outras inovações, como a propaganda em larga escala, transporte gratuito para os colonos, posse das terras em quatro anos, alguma assistência técnica e financeira, levantamento de toda a área e até o mapeamento do solo em algumas zonas.




Londrina surgiu em 1929, como primeiro posto avançado do projeto inglês. Na tarde do dia 21 de agosto de 1929, chegou a primeira expedição da Companhia de Terras Norte do Paraná ao local denominado Patrimônio Três Bocas, no qual o engenheiro Alexandre Razgulaeff fincou o primeiro marco nas terras onde surgiria Londrina. O nome foi uma homenagem prestada a Londres – “pequena Londres”, por João Domingues Sampaio, um dos primeiros diretores da Companhia.




Londrina foi elevada a categoria de município em 3 de dezembro de 1934. Até então era distrito de Jataí. Londrina passou a contar com 5 distritos: Marilândia, Nova Dantzig, Rolândia, São Roque e São Sebastião. Mais tarde os distritos foram emancipando. Nova Dantzig é a atual Cambé. São Roque é agora Tamarana e Marilândia é o distrito de Ararauva. E São Sebastião passou a pertencer a Apucarana, hoje município de Faxinal.




O traçado urbanístico de Londrina é do urbanista Jorge Macedo Vieira, seguindo o princípio de Ebenezer Howard de cidade-jardim (mesmo sistema adotado pela Companhia em Maringá). Londrina foi considerada a Capital Mundial do Café. A partir dos anos 70, o perfil foi mudando para centro industrial e econômico. A "Geada Negra" em 1975, dizimou os cafezais do Paraná. Londrina perdeu o posto mas já tinha desenvolvido um crescimento urbano razoável com indústrias, universidades e prestação de serviços.




O Lago Igapó é o cartão de visitas de Londrina. Igapó significa transvazamento de rios. O Lago foi projetado em 1957, como uma solução para o problema da drenagem do ribeirão Cambezinho, dificultada por uma barragem natural de pedra. Inicialmente pensou-se em dinamitar a barragem, mas prevaleceu a ideia de formar um lago.




O Igapó foi inaugurado em 10 de dezembro de 1959. Tem o projeto paisagístico de Burle Marx. Próximo ao Lago, surgiu a Gleba Palhano. É um bairro de luxo, com mais de 60 torres residências, e 15 condomínios horizontais, formando um bairro com aglomerado de grandes edifícios e condomínios fechados. Até 1990, a Gleba Palhano, era uma imensa fazenda aberta pelo agrimensor Mábio Gonçalves Palhano, que juntamente com seus irmãos tinham mais de 1.200 alqueires . O narrador esportivo Galvão Bueno, mora em uma dessas áreas.




O Jardim Botânico de Londrina tem mais de 1 milhão de metros quadrados de mata nativa, nascentes e rios. Foi criado em março de 2006, pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. É uma das mais importantes unidades de pesquisa e conservação de espécies nativas e exóticas no Paraná. É voltado à proteção e cultivo de espécies silvestres raras, ameaçadas de extinção, ou econômica e ecologicamente importantes para a restauração e reabilitação de ecossistemas.




O Jardim Botânico fica afastado da cidade, com entrada pela Rodovia Celso Garcia Cid. É muito utilizado pelas famílias aos finais de semana. Durante a nossa visita a grande estufa não tinham plantas. O espaço destinado ao visitante estava fechado. Embora muito bonito, ficou a impressão que o local estava abandonado.




O Calçadão de Londrina, foi inaugurado no dia 10 de dezembro de 1977. Vai da antiga prefeitura, na rua Minas Gerais, até a praça Gabriel Martins. A construção fazia parte do Projeto Centro e foi elaborada pelo arquiteto curitibano Jaime Lerner. A maioria dos edifícios que margeiam o local são antigos, alguns inclusive da década de 50.




A obra do calçadão foi polêmica. O município alegava segurança aos pedestres na região mais movimentada da cidade. Os contrários diziam que o calçadão iria prejudicar o comércio. Visitando algumas lojas, percebemos que após mais de 40 anos, alguns ainda criticam, mas a maioria defende. Uma das reclamações é por mais cuidados por parte da prefeitura. O calçamento em petir pavet (mais bonito) foi trocado. Ao longo dos anos o coreto também foi retirado. O movimento não é o mesmo dos anos 80 e 90. Talvez por causa dos shoppings, os bares badalados não estão mais ali. Hoje o local praticamente se resume a lojas e agências bancárias. "Falta mais alegria".




A Catedral Metropolitana de Londrina está no ponto considerado mais alto da cidade. O primeiro templo foi inaugurado em 1934. Passou por outras adaptações. Em 1953, devido à necessidade de ampliá-la foi encomendado um anteprojeto ao engenheiro alemão Freckmann. A nova igreja teve as obras iniciadas em 1954. Em 1962 as obras foram paralisadas por questões financeiras. Foram retomadas apenas em 1966 através de um novo projeto dos arquitetos Eduardo Rosso e Yoshimasi Kimati. Foi inaugurada em 17 de Dezembro de 1972.




A Catedral é dedicada ao Sagrado Coração de Jesus. O monumento tem um formado de chalé. Falta estacionamento para quem quer conhecer. O jeito é pagar estaciomento particular. As praças ao redor merecem mais atenção.




Londrina é uma cidade bem servida por hotéis. O da foto acima é parecido com um navio. Aliás tem até o nome de um famoso navio, o "Blue Tree".




Um outro hotel, perto da Catedral tem elevador panorâmico no interior.




Londrina tem quase 400 mil veículos. Sem contar a intensa movimentação dos automóveis de pessoas de fora. Congestionamento é o que não falta por lá. Os trechos mais problemáticos são a Rua Sergipe, Avenida Higienópolis, Avenida Rio Branco e Madre Leônia Milito que dá acesso ao Shopping Catuaí, o maior do interior do Paraná.




Em Londrina é possível encontrar quase tudo. Até esse automóvel Porsche, por pouco mais de 400 mil reais. Entre as pessoas que nasceram em Londrina estão: Arrigo Barnabé, Giba (jogador de volei), atriz Maria Cândido e o filósofo Mário Sérgio Cortela.




A Expo Londrina é uma feira agroindustrial realizada em abril pela Sociedade Rural do Paraná. Atrai pessoas de todas as regiões do Brasil e do exterior. É anunciada como a maior feira agroindustrial da América Latina. Pode ser no aspecto de comercialização, mas quando o assunto é diversão, a Exposição de Maringá oferece mais atrações.




Muitas revendedoras de veículos na Expo-Londrina. As revendas de veículos apresentavam grandes descontos para produtores rurais, mas essa redução de preços não valia para os demais consumidores.




Em várias barracas de alimentação tem música ao vivo. O repertório é sertanejo ou nordestino. Um problema sério na exposição de Londrina (2019) é que não existe sistema único de som. Cada barraca tem seu equipamento, o parque tem o dele, os estantes das emissoras de rádio fazem suas programações, o leilão tem outro. Quando alguém perde alguma coisa ou precisa encontrar uma criança não tem a quem recorrer.




A atração que mais emocionou na Expo-Londrina 2019, foi a da Esquadrilha da Fumaça. Quem estava no parque sábado (13/04/2019) à tarde, parou o que fazia para assistir ao espetáculo.




Fundada em 4 de setembro de 1951, a Biblioteca Muncipal de Londrina conta com acervo de mais de 100 mil itens entre livros, jornais e periódicos. Seu nome é uma homenagem ao professor Pedro Viriato Parigot de Souza. Instalada no prédio do antigo Fórum de Londrina desde 1984.




No Edifício América, um dos primeiros de Londrina está o "Relojão". Foi instalado na década de 60 pela Fábrica de Relógios Dimep de São Paulo. É um dos maiores do país, com 6,50 m de comprimento por 6,50 m de largura. Os ponteiros maiores medem 3 metros.


AS INFORMAÇÕES SOBRE LONDRINA VÃO CONTINUAR AQUI NA COLUNA. AINDA TEMOS MUITO A MOSTRAR. AGUARDE.






Santa Inês: o terceiro menor município do Paraná



A cidade de Santa Inês está localizada a 200 quilômetros de Campo Mourão, e a menos de 3 km do Rio Paranapanema, na divisa com o Estado de São Paulo. É o terceiro município menos habitado do Paraná (397ª), com apenas 1.818 moradores, pelo Censo de 2010 e 1.596 pela estimativa do IBGE feita em 2019. A taxa de escolarização é de 100 por cento. Em PIB per capita ocupa a posição 202. Apenas 3 por cento da cidade tem rede de esgoto.




A cidade de Santa Inês tem apenas 26 quadras com o tamanho de 100 metros por 90, e , é menor que o Jardim Cidade Nova em Campo Mourão. A praça é bonita, e se você percorrer mais 50 metros, já estará na zona rural. Perto da praça tem uma arena especialmente construída para rodeio. O município comemora aniversário no dia 3 de dezembro.




A área de terras onde está o município de Santa Inês, foi comprado do Estado pela Colonizadora Catanduvas. Em 1952, José Gabiate e Salate, residentes em São Paulo adquiriram parte das terras e criaram o loteamento urbano. Até 1961 foi distrito de Itaguajé. O nome é em referência ao Ribeirão Santa Inês. A cana ocupa o maior espaço com 3.707 hectares. Na sequência, soja (900 ha), milho (730 ha) e a mandioca (400 ha). É grande a produção de frangos.




A Paróquia Santa Inês pertence a Diocese de Apucarana, e foi criada em 1978. A cidade tem 596 imóveis residenciais; 30 empresas comerciais e nenhuma empresa está cadastrada como indústria. Não tem agências do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal. Muita gente vai até Santa Inês para pescar ou descansar às margens do Rio Paranapanema. São várias moradias à beira rio e o local conta com marinas.



Manoel Ribas: o coração do Paraná



Manoel Ribas, está localizada a 118 quilômetros de Campo Mourão. Tem 13 mil 502 habitantes, ocupando a posição 147 entre os 399 municípios do Paraná. Em PIP per capita é o 195º.




Até 1956, Manoel Ribas foi distrito de Pitanga. O aniversário é comemorado em 8 de janeiro. Na agricultura destaques para a soja (24.600 ha), trigo (12.500) e feijão (2.400 hectares). O rebanho bovino é grande com 43.978 cabeças. Destaques também para a produção de frangos e suínos. Produz 40 mil litros de leite por ano.




Manoel Ribas tem cerca de 3 mil residências na área urbana. Conta com 287 empresas comerciais e 44 indústrias, em sua maioria pequenas. A rede de esgoto é inferior a 20 por cento. A média é de quase dois automóveis por residência.




A imagem acima é do Hospital Municipal Santo Antônio, mantido pela prefeitura. Manoel Ribas começou a surgir no final dos anos 40. Na época era conhecida como Campina Alta. O nome atual é em homenagem ao interventor do Paraná, Manuel Ribas (com "u"). A maior parte dos pioneiros veio de Santa Catarina, descendentes de alemães, ucranianos e italianos.




A Rodoviária de Manoel Ribas é pequena e de pouco movimento. Por sua posição central no Estado, a cidade é conhecida como "Coração do Paraná". O aeroporto denominado de "Águia Branca", tem pista asfaltada de 1.200 metros de comprimento por 30 de extensão. No município está localizada a aldeia indígena Ivaí, uma das maiores do Paraná.




Um dos principais eventos de Manoel Ribas é a Exposição Agropecuária de Barra Santa Salete, realizada em abril.




A Paróquia Santo Antônio foi fundada em 25 de setembro de 1951. Pertence a Diocese de Guarapuava. Uma curiosidade de Manoel Ribas é que na área central as ruas no sentido norte-sul são nominadas com datas importantes como "Sete de Setembro", "Quinze de Novembro" e as de leste-oeste com personagens históricos como "Tiradentes" e "Santos Dumont".




O nome do CTG de Manoel Ribas é "Coração do Paraná". Às margens da BR-487 está localizado o Laticínio Campina Alta. O Estádio Municipal é conhecido por "Silotão". A cidade conta com um grande entreposto da Coamo. É atendida por agências do Banco do Brasil e Itaú.



Marilândia do Sul: Terra de Maria ou Mary Land



Marilândia do Sul é um município, que até 1952, foi distrito de Apucarana. A cidade está localizada a 175 quilômetros de Campo Mourão e a 30 km de Apucarana. Tem 8 mil 863 habitantes, dois quais 2.982 moram na área rural. Figura na posição 204 entre os 399 municípios paranaenses. É o 136º em PIB per capita.




Os primeiros moradores começam a chegar em 1928. Entre eles estava Santiago Lopes José. Muito religioso, ele formou o primeiro núcleo da cidade, e queria que o local tivesse o nome de "Terra de Maria". Um agrimensor da Companhia de Terras Norte do Paraná, sugeriu que fosse chamada de Marilândia, que em inglês é Mary-Land. Foi elevado à condição de distrito de Londrina em 1938 e em 43 passou a integrar o novo município de Apucarana com o nome de "Araruva". Embora tenha sido emancipado em 1952, o nome atual foi alterado só em 1967.




As maiores lavouras são de soja (21.900 hectares) e trigo (12.500 ha). É um grande produtor de frangos. O setor industrial emprega cerca de 200 pessoas. No comércio e prestação de serviços são mais 400. A média é de um automóvel por residência.




A cidade tem 136 empresas comerciais, duas indústrias e 2.459 imóveis residenciais no perímetro urbano. Não tem emissora de rádio. Conta com a agência do Banco do Brasil. Apenas 20 por cento da cidade é beneficiada com rede coletora de esgoto. Uma linha de trem corta a cidade. A estação de passageiros construída em 1960 encontra-se em ruínas. Quando a RFFSA foi privatizada (1996), tiraram todos os equipamentos. Restaram só os trilhos para os vagões cargueiros que fazem o trecho Apucarana até Mauá da Serra.




Marilândia do Sul comemora o aniversário no começo de dezembro com a "Festa da Produção", incluindo shows nacionais. Em Marilândia do Sul, a principal atividade de lazer são as cachoeiras e pesque-pagues. Nas festas do município o prato típico é o churrasco no espeto de bambu.




O atual templo da Paróquia Nossa Senhora das Dores, foi construido em 1945. A Paróquia de Marilândia do Sul é a mais antiga da Diocese de Apucarana. Antes pertenceu as Dioceses de Jacarezinho e Londrina. Está situada em cima do antigo cemitério.



 
COLUNA DO ELY
a
COLUNA DO ELY
Campo Mourão - Paraná - Brasil - e-mail elyrodriguesdaniel@outlook.com / Rádio T FM - 44- 3523-5248